terça-feira, 25 de agosto de 2015

Mãe, quem me dera...

... que fosses elástica.
Assim podia dar-te a mão e estar sempre contigo.
Mas tinha de amarrar a tua mão à cintura, para que não se soltasse e não ficasse sem ti.
Palavras para quê?!

domingo, 23 de agosto de 2015

Farias hoje...

... 73 anos.

Não consigo imaginar como serias se aqui estivesses.
Partiste de vez há 21 anos, mas antes disso foste partindo devagarinho.
À medida que os anos passam esqueço-me menos de ti.
Mas é assim que te sei desde 1994.
É assim que te tenho sentido em todos os momentos importantes da minha vida.
É assim que te falo quando preciso de ajuda nos momentos difíceis.
Sei-te aí e aqui quando é preciso.
Um dia vamos reencontrar-nos e aí só quero ter a certeza de que te orgulhas de mim.
Hoje adormeço contigo, pai, ainda mais no meu coração.