quarta-feira, 30 de julho de 2014

Para ler todos os dias...

E não esquecermos de que, por muito que nos aconteça, somos sempre afortunados.
Não vejo outra maneira de ver a vida. Devo-o às minhas filhas. A da terra e a do céu.
 


terça-feira, 8 de julho de 2014

Pontapés no medo

Há dois meses que aqui nada escrevo. Anda desaparecida no combate que é a vida.
Não por falta do que escrever.
Não por falta do que sentir.
Aliás, por esta a viver uma mudança tão grande não tenho tido tempo para vir escrever e a minha peste está deliciosamente a consumir-me todos os minutos que não está na escola.
A primeira semana de escola com nova com lingua que não é a materna correu bem.
A segunda nada bem. Tive de a deixar a chorar todos os dias.
Já me sentia mal e me perguntava: "O que é que eu estou a fazer à minha filha?"
A verdade é que não a posso proteger de tudo. Ela não vai viver numa bolha cor-de-rosa.
O click deu-se quando após várias conversas lhe expliquei que também eu tenho medo.
Que também fiquei nervosa ao vir para um país que não o meu.
Que os crescidos também têm medo, mas dão-lhe pontapés no rabo e  que é isso que ela tinha de fazer. Sempre que tivesse medo tinha de dar um pontapé no rabo do medo e pensar em coisas boas. Pois assim ia ver tudo o que tinha de bom.
No dia seguinte de manhã começou a choramingar e eu perguntei-lhe se ela se lembrava do que tinhamos falado. Anui. Dei-lhe um beijo e coloquei-a no chão. Não queria acreditar quando ela ergue a perna no ar e simula um pontapé no medo. O pai ficou por momentos sem perceber.
disse-lhe: "É mesmo isso, Joana".
Demos-lhe, cada um, mais um beijo acompanhados de palavras de incentivos e lá foi ela.
Quando a fui buscar estava feliz e disse-me que não tinha chorado mais.
Fiquei contente, mas ao mesmo tempo pensei que era sexta-feira. Fiquei receosa de como seria na segunda-feira.
A verdade é que o click deu-se nesse dia e desde então, já lá vão três semanas, que ela se adpatou e está super feliz. Fala muito do que já sabe e quando não sabe fala por gestos ou coloca o português com sotaque inglês.
O à vontade já é tanto que agora até me corrige no modo de dizer correctamente o nome das amigas com sotaque britânico.
As férias estão à porta. Continuaremos a treinar o inglês e estar com amigos ingleses, pelo que, resta-me desejar que em Setembro com o inicio da primária tudo corra tão bem como está a correr agora.